Artigos

Análise da Expressão dos Genes Apex1, Polβ, Rac1 e Nfκβ em Portadores de Anemia Falciforme

Publicado em: 06/12/2019
Autor : Pereira JF, Moura ATG, Cavalcante IR, Filho TPA, Laurentino MR, Nogueira PMM, Duarte FB, Machado RPG, Duarte BA, Lemes RPG
Publicado em: https://hemo.org.br/2019/doc/HTCT_HEMO_2019_final.pdf

Introdução:

A anemia falciforme (AF) é uma doença hematológica hereditária caracterizada por uma mutação ocasional no gene da beta globina, que gera uma hemoglobina anormal denominada de hemoglobina S (HbS), em homozigose (HbSS). Quando desoxigenadas, ocorre falceização das hemácias, principal causa da maioria das complicações clínicas da doença. O tratamento da AF consiste no uso da hidroxiureia (HU), que eleva os níveis de hemoglobina fetal (HbF), resultando na melhoria da clínica do paciente. Entretanto, relatos na literatura apontam para um potencial efeito genotóxico, o que pode aumentar o risco da instabilidade gênica nesses pacientes. O gene APEX1 atua no reparo do dano de fita simples no DNA, principalmente induzida pela oxidação, e na regulação do estresse oxidativo e de diversos fatores de transcrição via redox. Objetivo: Avaliar a expressão do gene APEX1 e sua possível ação reguladora sobre os genes POLβ, NFκβ e RAC1, bem como associar sua expressão no tratamento com HU e as manifestações clínicas.

Material e Métodos:

Estudo transversal com 98 pacientes com AF (HbSS), com HU e sem HU e um grupo controle composto por 25 indivíduos saudáveis (HbAA). Para a análise das expressões gênicas foram coletadas amostras de sangue periférico. Os dados sociodemográficos e clínico-laboratoriais foram retirados dos prontuários médicos. A expressão dos genes APEX1, RAC1, POLβ e NFκβ foi verificada por PCR-RT. As análises estatísticas foram feitas no SPSS v.20; foi considerado significante p < 0,05. Resultados: A média de idade foi de 32 anos, com prevalência do sexo feminino. A expressão de APEX1 foi menor em pacientes com AF quando comparado ao controle (p = 0,0179). Observou-se também que a HU aumentou a expressão de todos os genes estudados.Pacientes não tratados com HU apresentaram menor expressão de APEX1 (p = 0,035) e de RAC1 (p < 0,001) do que os indivíduos saudáveis e os pacientes tratados. Houve correlação entre os genes APEX1 e o gene RAC1 (p < 0,0001). O gene POLβ apresentou diferenças em sua regulação quando agrupados quanto aos níveis de HbF. Pacientes tratados com maiores doses de HU (1.500 mg/dia) apresentaram aumento dos níveis de expressão do gene POLβ em comparação ao grupo que recebia dose menor (1.000 mg/dia). Não foram observadas diferenças na expressão de APEX1 e NFκβ em relação à dose do fármaco. Pacientes com níveis baixos de HbF entre 15-25% apresentam baixos níveis de expressão de RAC1 quando comparados ao grupo com níveis de HbF ≤ 15% (p < 0,05). Os genes APEX1 e RAC 1 (p < 0,001, R = 0,09446), POLβ e RAC 1 (p < 0,001, R = 0,1760) e NFκβ e POLβ (p < 0,001 e R = 0,1809) se correlacionam positiva e moderadamente em pacientes com AF.

Discussão:

Através deste estudo foi possível conhecer melhor o perfil da expressão de vários genes importantes para a regulação do DNA na AF. Ao avaliar a expressão do gene quanto ao tratamento, podemos constatar que a terapia com o HU influencia no aumento da expressão dos genes estudados.

Conclusão: Os resultados apresentados são um ponto de partida para estudos de investigação mais aprofundados sobre os genes aqui estudados, podendo auxiliar no diagnóstico e no prognóstico de complicações da AF.